http://boletim.mdt.org.br/portal/SiteAssets/BnnrBltmaprvd1912.jpg
Número 162-Dezembro 2019

Nesta Edição

Quatro pontos
p
Em sua explanação ao final na recente 8ª Reunião do Conselho Diretor, o presidente do Instituto MDT e presidente da Confederação Nacional das Associações de Moradores (CONAM), Getúlio Vargas de Moura Júnior, destacou que os trabalhos do próximo ano para o Instituto MDT poderão se apoiar em quatro pontos.

p
Disse que um desses pontos se refere à convergência para a elaboração de uma agenda eleitoral de 2020, tendo em vista o processo em que serão escolhidos os prefeitos e vereadores; a idéia é buscar a elaboração de um manifesto ou carta eleitoral, que norteará as propostas do Instituto MDT.

p
Outro aspecto está em agregar temas que sejam atrativos e auxiliem na mobilização das bandeiras do Instituto MDT, de modo que seja possível atuar em consonância com movimentos populares e também dialogando com a transversalidade da mobilidade com sustentabilidade e questão ambiental,.

p
Outros pontos são a necessidade de intensificação dos debates para a construção da Frente Popular em Defesa do Transporte Público, com a elaboração de um planejamento estrutural e político, buscando o aporte econômico necessário para difundir essas propostas, e, a necessidade de haver foco nas ações de modo a possibilitar o fortalecimento do Instituto MDT nos Estados e municípios estratégicos.

p

Ler em página de impressão
Conselho Diretor inicia a estruturação de um conjunto de ações do Instituto MDT para o ano de 2020Alcançando como principal resultado a estruturação inicial de um conjunto de ações para 2020, realizou-se na tarde de 12 de dezembro de 2019, na sede do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (SEESP), em São Paulo/SP, a 8ª Reunião do Conselho Diretor do Instituto MDT. No encontro houve também a demonstração da situação financeira da entidade, revelando equilíbrio e a apresentação dos pontos principais do Relatório Final do Seminário DF, promovido pelo Instituto MDT.Ler em página de impressão
Secretaria de Mobilidade do Distrito Federal apresenta seus projetos desenvolvidos em 2019 e os planos para 2020 na 393ª Reunião Ordinária do Conselho de Transporte Público Coletivo (CTPC) na qual o Instituto MDT esteve presente como membroO diretor Nazareno Affonso representou o Instituto MDT na 393ª Reunião Ordinária do Conselho de Transporte Público Coletivo do Distrito Federal (CTPC), realizada em 18 de dezembro de 2019 na sede do governo distrital, o Palácio Buriti, em dependências ocupadas pela Secretaria de Transporte e Mobilidade. Participaram o secretario de Mobilidade, Valter Casimiro Silveira, e os conselheiros. O Instituto MDT elogiou a apresentação dos projetos da Secretaria de Estado de Transporte e Mobilidade, em especial, porque os projetos incorporaram diferentes medidas preconizadas no Estudo Técnico do MDT intitulado 'A Evolução recente do Sistema de Transporte Público Coletivo do Distrito Federal' que faz parte do projeto 'Pensar o Transporte Público na cidade planejada para o automóvel'.Ler em página de impressão
Instituto MDT esteve presente no Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Urbana e dos Movimentos Sociais de Luta por Moradia "Zezéu Ribeiro" Representado por seu diretor nacional, Nazareno Stanislau Affonso, o Instituto MDT participou em 3 de dezembro de 2019, na Câmara dos Deputados, em Brasília, da sessão de instalação da Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Urbana e dos Movimentos de Luta por Moradia “Zezéu Ribeiro”. O nome do arquiteto, político e parlamentar baiano falecido em 2015, agregado ao título oficial da Frente, foi uma homenagem a seu trabalho e seus esforços na luta pelo direito à cidade. A sessão foi presidida pelo deputado Paulo Teixeira e contou com a participação de parlamentares de diferentes partidos e de representantes dos movimentos de luta por moradia. Ler em página de impressão
Em Fortaleza, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará – Sindiônibus lançou TopBus+, serviço de transporte coletivo por aplicativo sob demandaParceiro Institucional do Coletivo – o programa de inovação em mobilidade urbana desencadeado e liderado pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) – o Instituto MDT acompanha as atividades de inovação relacionada com o transporte público urbano coletivo. Em 4 de dezembro de 2019, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará – Sindiônibus lançou sua plataforma de transporte coletivo por aplicativo sob demanda denominada TopBus+. Em 5 de dezembro de 2019, o programa Coletivo inaugurou uma série diálogos on-line com profissionais e espectadores intitulado Papo Coletivo.Ler em página de impressão
Silvia Cristina Silva será a primeira mulher a presidir a AEAMESPEm pleito realizado no final de 2019, foram eleitos a Diretoria Executiva e os Conselhos Deliberativo e Fiscal da AEAMESP para o triênio 2020/2022. A posse solene acontecerá em 2020, em data a ser oportunamente divulgada. A engenheira Silvia Cristina Silva será a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente da AEAMESP. Ler em página de impressão

.

Conselho Diretor inicia a estruturação de um conjunto de ações do Instituto MDT para o ano de 2020Na tarde de 12 de dezembro de 2019, na sede do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (SEESP), em São Paulo/SP, realizou-se a 8ª Reunião do Conselho Diretor do Instituto MDT. Os trabalhos foram conduzidos pelo presidente do Instituto MDT, Getúlio Vargas de Moura Júnior.
 
“O principal saldo do encontro foi a estruturação de um conjunto de ações para 2020, lastreado em um balanço das ações desenvolvidas em 2019 e que estavam previstas em nosso Plano de Gestão para o período compreendido entre 2019 e 2021”, disse o diretor nacional do Instituto MDT, Nazareno Affonso.
 
A coordenação do Instituto MDT preparou uma planilha em que estavam listadas 23 grandes ações, diversas delas subdivididas em itens específicos. Para cada uma dessas ações, o documento mostrava as atividades realizadas ou previstas e não realizadas em 2019 e as perspectivas dessas mesmas ações para o ano de 2020.
 
Nazareno informou que não era intenção do Conselho Diretor do Instituto MDT fechar um documento já em dezembro. Explicou que houve, por assim dizer, uma avaliação geral de tudo o que foi realizado, as dificuldades enfrentadas, as vitórias alcançadas e os conhecimentos acumulados. E que, com base nisso, procurou-se iniciar um processo de definição para as ações em 2020.
 
O presidente Getúlio Vargas Júnior assinalou durante a reunião que as ações listadas no documento preliminar ganharam sugestões e complementações durante a própria reunião e, além disso, ficou aberta a possibilidade de recepção de outras sugestões, feitas por conselheiros que não puderam se deslocar até São Paulo na data do encontro”, e acrescentou que tais temas serão mais bem desenvolvidos na próxima reunião do Conselho Diretor do Instituto MDT, que acontecerá até fim de abril de 2020.
 
QUATRO PONTOS
 
Em sua explanação ao final da reunião, Getúlio Vargas Júnior destacou que, em síntese, os trabalhos do próximo ano deverão seguir quatro pontos. Um deles diz respeito à convergência para a elaboração de uma agenda eleitoral de 2020, tendo em vista o processo em que serão escolhidos os prefeitos e vereadores; a ideia é buscar a elaboração de um manifesto ou carta eleitoral, que norteará as propostas do Instituto MDT.
 
“Outro ponto está em agregar temas que sejam atrativos e auxiliem na mobilização de nossas bandeiras, de modo que possamos atuar em consonância com movimentos populares e também dialogando com a transversalidade da mobilidade com sustentabilidade e questão ambiental”, disse.
 
O presidente do Instituto MDT mencionou ainda a necessidade de intensificação dos debates para a construção da Frente Popular em Defesa do Transporte Público, com a elaboração de um planejamento estrutural e político, buscando o aporte econômico necessário para “colocar a proposta na rua”. E disse também ser necessário ter foco nas ações “que possibilitem o fortalecimento da musculatura e articulações do Instituto MDT nos Estados e municípios estratégicos”.
 
TEMAS
 
Para que se tenha uma ideia da amplitude das atividades que o Instituto MDT tem colocado em perspectiva desde 2019, basta ver que o documento preliminar lista 23 ações, algumas com diversas subdivisões. Os temas listados incluem participação nas atividades do Fórum Nacional da Reforma Urbana (FNRU) e na possível campanha De Olho no Seu Voto, tendo em vista o processo eleitoral de 2020; quanto às eleições, foi proposto ainda que o Instituto MDT prepare sua própria carta eleitoral, com ênfase nos temas ambientais.
 
Na esfera parlamentar federal, o documento destaca a articulação com a Frente Parlamentar Mista do Transporte Público em parceria com a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) e, especificamente na Câmara Federal, com a Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Urbana e dos Movimentos de Luta por Moradia – em um esforço conjunto com o Fórum Nacional da Reforma Urbana (FNRU), e com as Comissões Permanentes relacionadas com o setor de mobilidade e direito à cidade, entre as quais a de Desenvolvimento Urbano, Viação e Transporte e Trânsito Seguro.
 
Também foi sugerido o desencadeamento das atividades da Frente Nacional da Sociedade Civil em Defesa do Transporte Público, incluindo como proposta para 2020 a realização de uma oficina com a Agenda Unificada com Movimentos Nacionais Populares. No âmbito do Executivo em nível federal, foi indicado o acompanhamento das atividades da Secretaria de Mobilidade e Serviços Urbanos do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).
 
O documento listou ainda atividades em defesa da Paz no Trânsito, com destaque para a difusão do Manifesto pela Vida, elaborado pelo Fórum Nacional de Secretários de Mobilidade Urbana. Também foi salientada a importância do acompanhamento das iniciativas parlamentares de mudança do Código de Trânsito Brasileiro – no caso, a ideia é trabalhar para impedir a adoção de mudanças que possam ameaçar as conquistas na direção da Paz no Transito e assim enfraquecer essa legislação.
 
Outros pontos inseridos: a elaboração do Manifesto da 20ª Jornada Brasileira ‘Na Cidade, Sem Carros’, em cooperação com o Instituto RUAVIVA; a realização de novas edições, por demanda, do Curso Mobilidade Urbana Sustentável, Meio Ambiente e Inclusão Social; continuidade do Projeto Transporte Público na Cidade Planejada para os Automóveis no Distrito Federal, e participação no movimento BR Cidades, que já está estruturado em 18 regionais.
 
Foi colocado como proposta o aproveitamento do apoio já oferecido pelo Instituto de Ensino Superior de Brasília (IESB) para atualização, agora digital, da publicação Novas Conquistas – Mobilidade, Inclusão e Direito a Cidade, e da publicação em quadrinhos A rua é nossa e não dos carros. Estas publicações são a base dos Cursos do Instituto MDT e foram editadas por meio do projeto Fortalecendo o Direito Urbanístico e a Mobilidade Urbana para a Efetivação do Direito à Cidade, com financiamento da Fundação Ford e do Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU); o trabalho foi desenvolvido em 2015 e, por essa razão, necessita de atualização.
 
Outro produto elaborado nesse projeto em 2015 e que deve receber o processo de edição digital em 2020 é o trabalho intitulado Fortalecendo o Direito Urbanístico e a Mobilidade Urbana para a Efetivação do Direito à Cidade- Avaliação da Implementação da Lei da Política Nacional da Mobilidade Urbana, 12.587/2012, nas Regiões Metropolitanas de São Paulo e da Baixada Santista.
 
Está relacionada na planilha a participação do Instituto MDT em atividades de seus parceiros (participação que se expressa por meio de apoio e também de envolvimento direto nas ações), especialmente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Fórum Nacional e Fórum Paulista de Secretários de Mobilidade Urbana, Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos), União Internacional de Transportes Públicos- Divisão América Latina (UITP/DAL), Associação de Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP).
 
No campo da relação entre mobilidade e meio ambiente, foram propostas atividades com organizações como o Instituto Energia e Meio Ambiente (IEMA), Observatório do Clima, Instituto de Políticas de Transporte & Desenvolvimento (ITDP), a publicação Le Monde Diplomatique e entidades voltadas para o cicloativismo.
 
PROPOSTAS
 
Na reunião, a conselheira Rosimar Gonçalves apresentou proposta de colocar na agenda de ações do MDT o tema da carga urbana que utiliza menos de 10% do espaço do sistema viário público, no entanto, seu impacto ambiental é maior do que 50% do total gerado por todos os demais veículos e impacta 25% do total de congestionamentos urbanos. Ela disse: “Dessa forma, avançar sobre a gestão pública sistêmica da logística urbana nas cidades é imprescindível se realmente queremos transformá-las em um ambiente saudável para as pessoas e com viabilidade econômica aprimorada com a diminuição dos congestionamentos” e conclui que esse tema deva fazer parte dos Cursos e que o MDT busque parceria com operadores logísticos para que o Instituto possa atuar na questão sensibilizando os gestores municipais públicos.
 
Outro tema foi enviado por escrito pelo conselheiro Tuca Munhoz: montar propostas para a inclusão, na grade curricular de escolas técnicas, do tema da Acessibilidade, estabelecendo parcerias com Secretarias de Educação; e incluir os temas da Acessibilidade e da Mobilidade Universal em todas as iniciativas, cursos e ações do Instituto MDT.
 
Reforçando que o Instituto MDT deve ter foco em um conjunto reduzido e objetivo de ações, o conselheiro Emiliano Affonso Neto, defendeu que esse deveria se espelhar nas experiências internacionais de basear o financiamento dos sistemas estruturais de transporte em recursos extratarifarios e sobre os lucros dos empreendimentos imobiliários resultantes da implantação de tais sistemas e, ainda, de recursos oriundos da taxação de estacionamentos e de pedágios urbanos, entre outros.
 
OUTRAS PAUTAS DA REUNIÃO
 
Na parte inicial dos trabalhos da 8ª Reunião do Conselho Diretor do Instituto MDT, houve demonstração da situação financeira da entidade, revelando equilíbrio. De todo modo, os conselheiros concordaram que será preciso estruturar a busca de novas fontes de financiamento, para consolidar o equilíbrio alcançado.
 
O secretário executivo do Instituto MDT, Wesley Ferro Nogueira fez a apresentação dos pontos principais do Relatório Final do Seminário DF e Entorno.
 

Voltar

.

Secretaria de Mobilidade do Distrito Federal apresenta seus projetos desenvolvidos em 2019 e os planos para 2020 na 393ª Reunião Ordinária do Conselho de Transporte Público Coletivo (CTPC) na qual o Instituto MDT esteve presente como membroA 393ª Reunião Ordinária do Conselho de Transporte Público Coletivo do Distrito Federal (CTPC) aconteceu no dia 17 de dezembro de 2019 na sede do governo distrital, o Palácio Buriti, em dependências ocupadas pela Secretaria de Mobilidade. Participaram o secretario de Transporte e Mobilidade, Valter Casimiro Silveira, e os conselheiros, entre os quais está o representante do Instituto MDT, Nazareno Affonso.
 
O encontro cumpriu a pauta apresentada a seguir com os respectivos resultados: 1 – Posse dos novos conselheiros; 2 – Proposta para alteração do leiaute externo da Viação Piracicabana – aprovada; 3 – Proposta da Sociedade de Transportes Coletivos de Brasília – TCB para prorrogação da vigência dos cadastros dos veículos por mais 12 (doze) meses – rejeitada; 4-Manual de Comunicação Visual Interna dos Veículos do STPC/DF – retirada de pauta para análise da Secretaria de Finanças; 5 – Apresentação dos projetos da Secretaria de Estado de Transporte e Mobilidade, que foi o tema principal da reunião.
 
APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS
 
O Instituto MDT elogiou a apresentação dos projetos da Secretaria de Estado de Transporte e Mobilidade, em especial, porque os projetos incorporaram diferentes medidas preconizadas no Estudo Técnico do MDT intitulado A Evolução recente do Sistema de Transporte Público Coletivo do Distrito federal que faz parte do projeto Pensar o Transporte Público na cidade planejada para o automóvel, com destaque para estes pontos: a) Retomada dos 3 km de faixa exclusiva da EPNB, beneficiando 175 mil passageiros com redução média de 20 minutos no tempo das viagens; b) Implantação do Centro de Controle Operacional (CCO) e compromisso de disponibilização, em março, do Índice de Qualidade do Transporte (ITQ); c) Autorização de circulação no BRT Sul de 15 linhas do Entorno (Valparaíso; Cidade Ocidental e Céu Azul), proposta surgida no Seminário do Entorno organizado pelo Instituto MDT.
 
Outros benefícios podem ser apresentados e que foram elogiados pelo Instituto MDT: a) Renovação da frota em 720 veículos em 2019; e compromisso de 2.412 novos veículos até 2020 e 100% da frota renovada até 2022; b) Criação de 390 linhas e 182 abrigos e edital em 2020 para mais 500 abrigos; c) operação dos aplicativos Cittamobi e Movi para usuários se informem do tempo de chegada dos ônibus; d) Implantação do BRT Mulher com 26 viagens diárias e atendimento de 1.500 mulheres; e) Faixa reversa do corredor da EPTG com ganho de 30 minutos; em janeiro de 2020 começarão a circular ônibus dotados de porta à esquerda; f) Sistema de bilhetagem automática do Bilhete Único administrada pelo Banco de Brasília (BRB) com a criação de 73 novos pontos de venda e pagamento via celular; g) VLT na W 3 -22 km, integrando BRT Sul/BRT Oeste; h) Implantação de política de estacionamento da Zona Verde (área azul) no primeiro semestre de 2020; i) Rede cicloviária atinge a marca de 553 km – a maior do Brasil, havendo projeto executivo para implantação de mais 130 km e articulação entre as ciclovias; j) privatização da operação do MetroDF e da Rodoviária do Plano Piloto.
 

Voltar

.

Instituto MDT esteve presente no Lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Urbana e dos Movimentos Sociais de Luta por Moradia "Zezéu Ribeiro" Em sessão realizada no dia 3 de dezembro de 2019, na Câmara dos Deputados, em Brasília, foi lançada a Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Urbana e dos Movimentos de Luta por Moradia, que se chamará Frente Parlamentar “Zezéu Ribeiro”. A adoção do nome do arquiteto, político e parlamentar baiano falecido em 2015, grande militante da área de habitação, foi uma homenagem a seu trabalho e seus esforços na luta pelo direito à cidade.
 
A sessão foi presidida pelo deputado Paulo Teixeira e contou com a participação dos parlamentares de diferentes partidos e de representantes dos movimentos de luta por moradia e da reforma urbana. O Instituto MDT foi um uma das entidades participantes, representado pelo diretor nacional Nazareno Stanislau Affonso.
 
Esteve presente e se manifestou na solenidade a viúva do deputado Zezéu Ribeiro, Lola Ribeiro. As entidades participantes foram: União Nacional Por Moradia Popular, Central dos Movimentos Populares, Movimento de Lutas nos Bairros e Favelas, Instituto do Movimento Nacional pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade para Todos (MDT), Confederação das Associações Comunitárias, Movimento dos Trabalhadores por Direitos, Movimento de Moradia do Recanto das Emas/DF e Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU).
 
Além de Paulo Teixeira, participaram da sessão deputadas e os deputados: Natália Bonavides, Marcon, Assis Carvalho, Alencar, Bira do Pindaré, Paulão, Fernanda Melchiona, Celio Moura, Afonso Florence, Maria do Rosário,Henrique Fontana, Luiz Marcelo (este, representando o deputado Túlio Gadelha); Maristela (representando o deputado Joseildo), e Manoel (representando o deputado João Daniel).
 
ESTRUTURAÇÃO
 
O deputado Paulo Teixeira explicou logo no início que a Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Urbana e dos Movimentos de Luta por Moradia “Zezéu Ribeiro”foi concebida pelos movimentos junto com as assessorias dos parlamentares e que, assim, seu funcionamento será não apenas de frente parlamentar, mas também de frente política, "já que queremos envolver os parlamentares e as e entidades".
 
Ele relacionou os entre os principais objetivos da Frente a defesa do programa Minha Casa, Minha Vida e do Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social e a construção do Sistema Nacional de Desenvolvimento Urbano, a retomada do Conselho das Cidades. “Neste caso – disse o deputado –, junto com o Ministério Público, levando em conta que a criação do Conselho das Cidades foi aprovada por lei e posteriormente o órgão extinto, mas sua extinção caiu e, portanto, o Conselho das Cidades tem que continuar a existir”.
 
O parlamentar mostrou que outras metas são a defesa dos orçamentos dos programas de desenvolvimento urbano de moradias dignas, a defesa do uso do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para financiamento da política habitacional, e a construção de uma agenda legislativa que sistematize os projetos de lei sobre reforma urbana e habitação de interesse social.
 
A primeira tarefa da Frente Parlamentar em Defesa da Reforma Urbana e dos Movimentos de Luta por Moradia “Zezéu Ribeiro” será buscar audiência com Rodrigo Maia e com o relator da lei de orçamento para 2020, deputado Domingos Neto, para defesa da emenda que garante recursos para o Fundo de Desenvolvimento Social. Outro ponto será atuar junto ao Ministério Público Federal para restabelecimento do Conselho Nacional das Cidades, combater o projeto que retira recursos do programa Minha Casa, Minha Vida e lutar contra a privatização do serviço de água e saneamento.
 
A Frente será dirigida por uma comissão executiva composta por um presidente, um vice-presidente e cinco coordenadores sendo preferencialmente um de cada região do País. Paulo Teixeira propôs que se criasse uma comissão com um parlamentar e alguém de cada região do país.
 

Voltar

.

Em Fortaleza, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará – Sindiônibus lançou TopBus+, serviço de transporte coletivo por aplicativo sob demandaNa condição de Parceiro Institucional do Coletivo– o programa de inovação em mobilidade urbana desencadeado e liderado pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) – o Instituto MDT tem procurado acompanhar as atividades de inovação relacionada com o transporte público urbano coletivo que vêm sendo implementadas no país.
 
No dia 4 de dezembro de 2019, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará – Sindiônibus lançou sua plataforma de transporte coletivo por aplicativo sob demanda, denominado TopBus+. O serviço iniciou atividades com 18 veículos modelo Sprinter da Mercedes-Benz. Estão sendo atendidas as áreas de Praia de Iracema, Aldeota, Centro, Mucuripe, Varjota, Papicu, Cidade 2000, Cocó, Joaquim Távora, Fátima, Benfica, bem como shopping centers e universidades da capital cearense.
 
Para participar, o interessado deve baixar um aplicativo específico e efetuar o seu cadastramento. A partir daí, para usar o serviço, bastará informar o local em que se encontra – identificado por meio de GPS – e digitar o local de destino.
 
O passageiro poderá também indicar quantos assentos pretende reservar para acomodação de pessoas que o acompanharão ao mesmo destino; para essa viagem em grupo, o aplicativo irá informar o preço total, que será significativamente menor do que se cada pessoa solicitasse o serviço separadamente. O aplicativo também informa o número do veículo e o nome do motorista e indica o ponto de encontro.
 
Para utilizar o serviço do TopBus+, será preciso fazer uma pequena caminhada até o local de embarque, indicado pelo aplicativo. O desembarque também acontece nas proximidades do destino de cada passageiro. Os veículos não seguem rotas fixas ou utilizam as paradas de ônibus convencionais. O valor do serviço é R$3,50 e a cada quilometro adicional rodado haverá uma taxa extra de R$ 1,50. O pagamento é realizado via cartão de débito e crédito.
 
“A cidade que dá sentido ao meu trabalho como empresário, gestor e líder setorial”
 
No lançamento do serviço TopBus+, o presidente do o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará – Sindiônibus, Dimas Humberto Silva Barreira, membro do Conselho Diretor do Instituto MDT, fez um pronunciamento em que faz ponderações sobre o transporte coletivo por aplicativo. Na sequência, apresentamos trechos desse discurso:
 
Cada ônibus substituído por automóveis ocupa 17 vezes mais espaço em nossas vias, entupindo as ruas e enfartando nossas cidades e causando centenas de mortes por acidentes de trânsito, principalmente de jovens que iniciam sua fase de contribuição para a sociedade e com toda a vida pela frente!
 
(...) Tenho certeza que este mundo populoso, já quase totalmente urbano e adensado, com escassos recursos, só sobreviverá COLETIVAMENTE. Mas a questão coletiva é uma escolha diária e INDIVIDUAL, de cada pessoa. E muitos, quando podem ou assim que conseguem, escolhem a própria conveniência e trocam o transporte coletivo pelo individual, aumentando o trânsito e a poluição.
 
A escolha coletiva cobra uma pequena espera ou uma pequena caminhada, mas recompensa com saúde, sorrisos, convivência, a vista da cidade e a consciência leve da atitude sustentável.
 
Sei também que o transporte coletivo para atender a necessidade de absolutamente todas as pessoas pode ser uma utopia, mas podemos e precisamos atender as necessidades de muito mais pessoas.
 
Meu objetivo hoje é conquistar vocês, esta audiência, como aliados nesta luta pelo coletivo. Nossos ônibus do sistema regular continuarão aqui, sempre com o melhor serviço que conseguirmos oferecer e com a universalidade que só eles podem prover, seguindo como espinha dorsal da nossa mobilidade humana, mas hoje apresento a vocês mais uma opção! Vamos aproveitar este novo mundo tecnológico que consegue oferecer flexibilidade, praticidade e preço justo!
 
(...) ‘Coletivo’ é a palavrinha chave que muda tudo, que une o melhor dos dois mundos. É flexível, conveniente, barato e COLETIVO!
 
Um veículo que atenderá a uma rota criada na hora, pra você, no horário que você pediu, mas com a vantagem de buscar outras pessoas que possam usufruir deste mesmo recurso, aproveitar esta viagem se for a um destino que aproveite o mesmo caminho, ajudando a maximizar os recursos empregados e a baratear as viagens.
 
Quando falamos em coletivo falamos em respeito. Conosco você não sairá de casa pagando um preço para ser surpreendido com uma mudança ultrajante no seu retorno. Não haverá o oportunismo sorrateiro que identifica automaticamente uma super demanda e, perversamente, dobra ou triplica o preço da mesma viagem no retorno, desconsiderando se o cliente do outro lado do smartphone está preparado para este novo valor, se ficará na mão ou se sentirá humilhado, frustrado ou impotente diante do abuso.
 
Também garantimos que você não terá sua viagem cancelada porque um motorista não gostou de você ou do destino da sua viagem e que você terá por trás de tudo isso a segurança de um serviço legal, contratado e monitorado pela prefeitura de Fortaleza, resguardado pelos contratos de concessão dos nossos cinco consórcios operacionais, prestado por empresas estabelecidas e com décadas de atividade, que contratam seus empregados formalmente, com toda a segurança, custos e encargos envolvidos. Motoristas devidamente remunerados sob o risco das empresas, e não deles próprios, criteriosamente. selecionados e carinhosamente treinados para atender você! E eles serão avaliados pelos clientes para que possamos monitorar permanentemente seu desempenho no atendimento.
 
Escolhemos como plataforma tecnológica a empresa Via e este é um ponto que também merece destaque. Não escolhemos a mais barata. Escolhemos a MELHOR em todo o mundo!Serviço coletivo sob demanda é um enorme desafio, pois precisa de uma estrutura tecnológica robusta e muitos dados para que o algoritmo consiga aliar coletividade e conveniência.
 
Hoje fazemos a entrega do projeto piloto do TOPBUS+! O TOP traz um novo conceito de ônibus super leves. Sprinters com teto alto, portas elétricas, câmeras de segurança, ar-condicionado, wifi, portas USB e tomadas para notebooks, com espaço para 13 passageiros, todos sentados.
 
(...) Nosso conceito não é porta a porta, é esquina a esquina. Isso significa que o aplicativo escolherá a menor caminhada possível, no máximo 200m, para encontrar seu veículo ou chegar ao destino final da sua viagem.
 
Programamos uma espera que poderá variar de dois a 25 minutos e nossos ônibus Top terão acesso às faixas exclusivas de transporte coletivo para que você chegue rápido e com toda a comodidade.
 
O preço será a partir de R$3,50 e vai variar de acordo com a distância percorrida e quantidade de passageiros na mesma chamada. E este é um ponto de destaque! O Top tanto pode ser coletivo por agregar automaticamente os deslocamentos das pessoas quanto o próprio cliente pode fazer chamadas para grupos. Cada passageiro adicionado na mesma chamada custará apenas R$ 1,50, podendo chegar até o limite da lotação. Perfeito, conveniente e muito econômico para viagens em grupos, seja sua família, vizinhos num passeio, colegas indo ao trabalho ou voltando.
 
Papo Coletivo. Em 5 de dezembro de 2019, o programa Coletivo inaugurou uma série diálogos on-line com profissionais e espectadores intitulado Papo Coletivo. A intenção desta iniciava é disseminar ideias e conteúdos de qualidade sobre empreendedorismo, inovação, transporte público coletivo, tecnologia e outros temas para engajar públicos de interesse é o principal objetivo das jornadas de diálogo do programa Coletivo. O primeiro Papo Coletivo teve como tema Cidades Inteligentes, e foi comandado por Humberto Maciel, professor de pós-graduação em empreendedorismo e ferramentas práticas da inovação, consultor para projetos de mobilidade e mentor de startups ligadas à mobilidade e serviços de transportes. As informações sobre o Coletivo podem ser obtidas no portal do programa (www.coletivo.org.br)
 

Voltar

.

Silvia Cristina Silva será a primeira mulher a presidir a AEAMESPEm eleição realizada entre os dias 13 e 18 de novembro de 2019, foram eleitos a Diretoria Executiva e os Conselhos Deliberativo e Fiscal da AEAMESP para o triênio 2020/2022. A posse solene acontecerá em 2020, em data a ser oportunamente divulgada.
 
A engenheira Silvia Cristina Silva será a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente da AEAMESP. A diretoria executiva é composta também pelos seguintes associados da entidade: Felipe Copche, vice-presidente de Administração e Finanças; Alexandre de Freitas Pinto, vice-presidente Atividades Técnicas; Fabio Juvenal Ferreira, vice-presidente de Assuntos Associativos; Ayrton Camargo e Silva, 1º Diretor Tesoureiro; Rolando José Santoro Netto, 2º Diretor Tesoureiro; Juliana Tiemi Tamanaha, 1º Diretor Secretário. e Dionísio Gutierres, 2º Diretor Secretário.
 

Voltar