http://boletim.mdt.org.br/portal/SiteAssets/BnnrBltmaprvd2009.jpg
Número 171-Setembro 2020

Nesta Edição

A boa notícia dos debates virtuais
p
É sabido que uma das consequências da pandemia que ainda vivemos tem sido a intensificação de encontros e debates digitais sobre diferentes temas. Descontadas as circunstâncias que estimulam essa prática, é preciso notar dois aspectos significativamente positivos dela.

p
Primeiro, a oportunidade de ter a participação de especialistas e ativistas de quaisquer pontos do país e mesmo do Exterior sem maiores dificuldades ou custos – um fator enriquecedor desses debates!

p
O outro aspecto é que tudo o que foi dito e discutido é facilmente gravado e torna-se disponível para um publico mais amplo, que não teve oportunidade de participar ao vivo. Ou seja, estão sendo criados conteúdos que também ficarão para o futuro.

p
O Instituto MDT tem participado de debates virtuais, oferecendo suas contribuições e aprendendo muito. Esta edição retrata um pouco tal situação.

p
Trazemos aqui, além de links para publicações, nada menos que sete links para gravações diversas, sendo que uma delas é nada menos que a chave para acessar todo o conteúdo do da 26ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, realizada em setembro pela Associação de Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP).

p
Boa leitura. Aproveite os conteúdos.

p
NAZARENO STANISLAU AFFONSO

Diretor Nacional do Instituto MDT

p
WESLEY FERRO

Secretário Executivo do Instituto MDT

p
Ler em página de impressão
Elaborada sob liderança da ANTP, publicação Eleições 2020 – Como ter um transporte público eficiente e barato é base de campanha para provocar debates nas eleições municipaisO Instituto MDT participou dos encontros virtuais que definiram o conteúdo da publicação também virtual intitulada Eleições 2020 – Como ter um transporte público eficiente e barato, peça que dá base a campanha desencadeada pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) com o objetivo de provocar debates em todo o país para fortalecer o transporte urbano nas eleições municipais de novembro. Conheça aspectos desse esforço e baixe a publicação.Ler em página de impressão
Em setembro, diretor nacional do Instituto MDT levou o tema do Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM a duas ‘lives’No mês de setembro, o diretor nacional do Instituto MDT, arquiteto e urbanista Nazareno Affonso participou de dois debates virtuais ao vivo – ‘lives’ – nos quais apresentou e debateu o Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM. No dia 3 de setembro, a ‘live’ foi desenvolvida pela entidade Mobilidade Conceito & Ideias – no Instagram, @mobilicei – coordenada pelo ativista Ricardo Henrique, de Recife, Pernambuco. Em 29 de setembro de 2020 a apresentação aconteceu durante a Live #3 (intitulada Sistema Único da Mobilidade/Tarifa Zero/ Iniciativa privada) de uma série de seis sessões de debates virtuais integrada à programação do Mobifilm 2020, que o Instituto MDT apoiou institucionalmente. Conheça aspectos dessas apresentações.Ler em página de impressão
Instituto MDT presente ao evento virtual que congregou 97ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Mobilidade Urbana e a 75ª Reunião do Fórum Paulista O Instituto MDT acompanhou nos dias 29 e 30 de setembro de 2020 o evento virtual que congregou 97ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Mobilidade Urbana e a 75ª Reunião do Fórum Paulista. No encontro, foi examinado um conjunto de temas que abarcou desde as inovações tecnológicas e de biossegurança que vêm sendo concretizadas durante o atual quadro de pandemia até as mudanças na legislação brasileira de trânsito e suas implicações, marcaram a realização conjunta, em formato virtual. Movimentando apresenta gravações dos dois dias de sessão, com um roteiro mostrando o momento de início de cada intervenção.Ler em página de impressão
Nazareno participa de debate virtual promovido pelo Consórcio Intermunicipal Grande ABC e relata o êxito do Programa Paz no Trânsito, do Governo do Distrito Federal no final dos anos 1990Veja por meio de link ao final desta matéria a gravação do debate virtual ao vivo – 'live' – sobre o tema Semana Nacional de Trânsito: Uma abordagem sobre pedestres e motociclistas, promovido na tarde de 21 de setembro de 2020, pelo Consórcio Intermunicipal Grande ABC. O encontro contou com a participação do diretor nacional do Instituto MDT, arquiteto e urbanista Nazareno Affonso, que já exerceu o cargo de secretário de Transportes na cidade paulista de Santo André, e, na condição de secretário de Transportes do Governo do Distrito Federal, foi um dos coordenadores do Programa Paz no Trânsito de Brasília, desencadeado com grande êxito em 1997. Ler em página de impressão
O Sistema Metroferroviário no DF e a Mobilidade Urbana. Por Wesley Ferro Nogueira, economista, secretário executivo do Instituto MDTNesta edição, apresentamos o texto intitulado ‘Sistema Metroferroviário no DF e a Mobilidade Urbana’, de autoria do economista Wesley Ferro Nogueira, secretário executivo do Instituto MDT, preparado por ocasião da audiência pública referente à Concessão para Gestão, Operação e Manutenção dos Serviços de Transporte Metroviário do Distrito Federal, realizada em 17 de setembro de 2020, a partir das 10h, no Auditório do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal – DER/DF.Ler em página de impressão
Seminários do Programa de Pós-graduação de Transportes e Gestão das Infraestruturas Urbanas da Universidade Federal de Pernambuco geram recomendações sobre o transporte público diante da Covid-19. O Instituto MDT participou da iniciativa.Durante os seis primeiros meses da pandemia da Covid-19, professores do Programa de Pós-graduação de Transportes e Gestão das Infraestruturas Urbanas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) promoveram seminários virtuais para debater as questões referentes aos impactos da crise sanitária sobre o transporte público urbano. Membros do Instituto MDT participaram de sessões desses encontros. Veja nesta edição os principais aspectos dessa iniciativa.Ler em página de impressão
Diretor nacional do Instituto MDT fala sobre Jornada Brasileira Na Cidade, Sem Carro e a Mobilidade Sustentável em debate virtual ao vivo promovido pela Associação Brasileira de Psicologia de Tráfego (Abrapsit)Em 22 de setembro de 2020, o diretor nacional do Instituto MDT, Nazareno Affonso, participou de um debate virtual ao vivo – 'live' – intitulado Mobilidade Sustentável, promovido pela Associação Brasileira de Psicologia de Tráfego (Abrapsit), entidade científica, sem fins lucrativos, cujo objetivo é promover o desenvolvimento técnico científico do exercício profissional na área de tráfego e circulação humana em todos os modais: terrestre, aéreo e aquaviário. Nazareno falou sobre a Jornada Brasileira na Cidade sem Carro e a Mobilidade Sustentável.Ler em página de impressão
O projeto Mobilicei apoiou e divulgou o Manifesto da 20ª Jornada Brasileira ‘Na Cidade, Sem Carro’Em suas páginas nas redes sociais, o projeto Mobilicei, coordenado por Ricardo Henrique, apoiou e divulgou o Manifesto da 20ª Jornada Brasileira ‘Na Cidade, Sem Carro’, emitido pelo Instituto RUAVIVA e pelo Instituto MDT em setembro de 2020. O Mobilicei é uma iniciativa voltada para promover o tema de Mobilidade e assuntos correlacionados, com foco na conscientização social, sobre a importância de se ter uma cidade melhor e consequentemente uma melhor qualidade de vida.Ler em página de impressão
A 26ª Semana de Tecnologia Metroferroviária foi realizada em formato virtual e gratuito e os conteúdos seguirão abertos ao público até o final de 2021. Aproveite.O Instituto MDT acompanhou o desenvolvimento da 26ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, realizada pela Associação de Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP) no período de 1 a 4 de setembro de 2020. Em razão da pandemia da Covid-19, o encontro foi realizado em formato virtual e de modo gratuito para todos os interessados. Paralelamente ao encontro, foi desenvolvida a feira de produtos e serviços Metroferr Lounge Experience 2020, igualmente em formato online. As gravações de todas as sessões do encontro estão abertas no hotsite do congresso, acessível por meio de um link no final deste artigo e permanecerão assim até o final de 2021.Ler em página de impressão

.

Elaborada sob liderança da ANTP, publicação Eleições 2020 – Como ter um transporte público eficiente e barato é base de campanha para provocar debates nas eleições municipaisEncontros virtuais realizados desde final de agosto definiram o conteúdo da publicação também virtual intitulada Eleições 2020 – Como ter um transporte público eficiente e barato, peça que dá base a campanha desencadeada pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) com o objetivo de provocar debates em todo o país para fortalecer o transporte urbano nas eleições municipais de novembro.
 
Considerando o processo eleitoral que se aproxima, a ideia da ANTP e das demais organizações que apoiam a campanha é introduzir o debate a respeito da importância da qualificação, racionalização e, sobretudo, da modernização dos modelos jurídico, operacional e de financiamento do transporte público, com receitas que venham não apenas da tarifa ou do tesouro municipal, justamente para que o usuário pague menos pelo transporte e essa atividade econômica seja exercida de forma equilibrada e com segurança jurídica.
 
A iniciativa é voltada principalmente a candidatos e candidatas ao Executivo e ao Legislativo de todos os partidos nos 2.901 municípios do país que contam com serviço organizado de transporte público coletivo. O Brasil tem, ao todo, 5 570 municípios.
 
A campanha dedica atenção aos ônibus urbanos ou intermunicipais de características urbanas, responsáveis por 85,7% dos deslocamentos de pessoas em cidades, áreas metropolitanas e aglomerados urbanos do país. O restante do atendimento de transporte é feito por meio de trens metropolitanos, metrôs, barcas e serviços organizados de vans.
 
PARTICIPAÇÃO
 
Assinam a publicação e a campanha as seguintes organizações: Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU); a Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (FABUS), Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA) e o Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Mobilidade Urbana.
 
Dirigentes dessas entidades participaram dos encontros virtuais de elaboração da publicação e de definição da estratégia da campanha, bem como seminário virtual de lançamento. O diretor nacional do Instituto MDT, Nazareno Affonso, também participou de encontros virtuais em que se discutiu a produção da publicação; nessas ocasiões, ele atuava como membro o Conselho Diretor da ANTP, representante do Instituto RUAVIVA.
 
PUBLICAÇÃO COM PROPOSTAS
 
A publicação virtual Eleições 2020 – Como ter um transporte público eficiente, barato e com qualidade na sua cidade – que pode ser baixada por meio de link ao final desta matéria – tem 40 páginas, é colorida e bem ilustrada, e apresenta links para outros documentos. A publicação pode ser baixada por meio de link ao final desta matéria.
 
Dois lemas são enfatizados já na página frontal – #elejaotransportepúblico!”e #transportepúblicoelege! – Tais lemas instigam os candidatos a utilizarem a bandeira da defesa do transporte público para fazer a diferença nas próximas eleições. A sugestão é que incluam na campanha e, uma vez eleitos, no programa de governo, as propostas de melhoria apresentadas.
 
Essas melhorias correspondem a oito temas: Transparência, Novo modelo de contratação, Infraestrutura, Custeio, Financiamento, Padrões de qualidade, Comunicação e Desenvolvimento Social e Ações Emergenciais. Cada tema tem um capítulo próprio em que se apresentam um desafio, as soluções, razões de escolha do tema, propostas de ação e como atuar para concretizar as propostas.
 
NÃO SÓ CANDIDATOS
 
Além dos candidatos, são alvos da campanha os formuladores dos programas de governo, formadores de opinião e os eleitores, que farão sua escolha nas urnas.
 
Ela também se volta para os prefeitos eleitos, para ajustarem e aperfeiçoarem seus programas de governo, principalmente levando em conta o crítico momento financeiro que as administrações seguramente viverão no início da próxima gestão.
 
A campanha prevê que a imprensa seja subsidiada com informações e análises técnicas de modo a possibilitar uma cobertura mais objetiva das propostas dos candidatos a respeito dos diferentes pontos relacionados com a mobilidade urbana.
 
A elaboração desse material e o desenvolvimento da campanha têm a cooperação de especialistas e de entidades que representam operadores de transporte público por ônibus e a indústria fornecedora do setor.
 

Voltar

.

Em setembro, diretor nacional do Instituto MDT levou o tema do Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM a duas ‘lives’O diretor nacional do Instituto MDT, arquiteto e urbanista Nazareno Affonso participou no mês de setembro de dois debates virtuais ao vivo – ‘lives’ – nos quais apresentou e debateu o Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM.
 
No dia 3 de setembro de 2020, a ‘live’ foi desenvolvida pela entidade Mobilidade Conceito & Ideias – no Instagram, @mobilicei – coordenada pelo ativista Ricardo Henrique, de Recife, Pernambuco.
 
Em 29 de setembro de 2020, a apresentação aconteceu durante a Live #3 (intitulada Sistema Único da Mobilidade/Tarifa Zero/ Iniciativa privada) de uma série de seis sessões de debates virtuais integrada à programação do Mobifilm 2020, que o Instituto MDT apoiou institucionalmente. O modelo adotado para o debate indicava apresentações individuais de três expositores.
 
Inicialmente, Nazareno Affonso falou sobre o Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM. Em seguida, o professor Lucio Gregori, secretário municipal de Transportes de São Paulo na gestão Luiza Erundina, falou sobre a proposta do passe livre. Houve ainda participação de Beatriz Braga, diretora executiva da empresa Metra, que opera o corredor ABD. A mediação foi de Valéria Barros, engenheira especialista em mobilidade urbana.
 
PONTOS FUNDAMENTAIS DO SUM
 
Nas apresentações feitas nesses dois debates virtuais ao vivo, a exemplo do que fez em outras apresentações recentes, Nazareno Affonso garantiu que a Mobilidade Urbana Sustentável e o transporte como Direito Social podem ser implantadas no país a partir da construção do Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM.
 
Nessas apresentações públicas ele tem esclarecido que a proposta defendida pelo Instituto MDT tem como pressupostos importantes o direito social à mobilidade como forma de acesso à cidade e suas oportunidades, o que significa inclusão e cidadania, e o dever do Estado de garantir no financiamento e a oferta desse serviço público, que é também indutor do desenvolvimento urbano, conforme preconiza da Política Nacional de Mobilidade Urbana em vigor desde 2012.
 
“O Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM é um conjunto de ações e serviços de caráter interfederativo, prestados e ofertados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais, municipais e do Distrito Federal e no campo da mobilidade urbana –considerando não apenas a administração direta e indireta, mas ainda as empresas públicas e as fundações mantidas pelo poder público”, afirma o dirigente do Instituto MDT
 
DIRETRIZES
 
Na exposição, Nazareno Affonso elencou as principais diretrizes que deverão governar o futuro sistema: corresponsabilidade dos entes federados, com comando único em cada esfera, participação social e a responsabilidade superior do Estado ao assumir de fato a gestão do transporte público um serviço essencial e um direito social, além da organização dos serviços interfederativos para evitar sobreposições e, consequentemente, duplicidade de oferta e elevação de custos.
 
As diretrizes proposta para o Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM, incluem a instituição de fundos, para reunião dos recursos da União, dos Estados e do Distrito Federal e dos Municípios, o princípio do co-financiamento do serviço, a garantia do direito de participação e do direito à informação para a sociedade e, também, a garantia do direito à acessibilidade na mobilidade urbana.
 
ORGANIZAÇÃO E GESTÃO
 
Nazareno falou também como estão sendo propostas a organização e a gestão do Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM. Disse tratar-se de um sistema que será descentralizado e participativo no tocante à gestão de ações. Haverá conferências com participação social para definição das linhas gerais da política, direção única em cada esfera, sob comando da União, por meio do ministério responsável, dos Estados e do Distrito Federal, com a secretaria de Mobilidade Urbana, de Transportes e/ou de Trânsito, e Municípios, com as secretarias de Mobilidade Urbana, de Transporte e/ou de Trânsito.
 
A proposta concebe que a Comissão Intergestores – com participação do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito e do Conselho de Secretários Estaduais e Distrital de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito – será a instância de decisão, com estrutura administrativa, capacitação técnica, recursos orçamentários do Orçamento Geral da União (OGU) e prerrogativa de celebrar convênios.como instâncias políticas de decisão.
 
FINANCIAMENTO
 
O Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM não pode prescindir de um Fundo Nacional de Mobilidade Urbana, com gestão dos recursos e cofinanciamento, com alocação de recursos financeiros dos entes nos fundos. “É preciso que se estabeleçam requisitos claros para a transferência de recursos da União e de Estados para os Municípios, incluindo o conselho municipal de mobilidade urbana, a composição de fundo municipal de mobilidade urbana, o aporte de recursos municipais nos fundos e a elaboração do plano de mobilidade urbana”.
 
Segundo o dirigente do Instituto MDT é preciso que se consagre a transferência de fundo a fundo. E também é necessário que se instituam outras fontes de recursos: taxação de estacionamentos, do uso da via pública e aplicativos de automóveis; ajudas, contribuições aprovadas por lei, transferências doações e donativos; alienações patrimoniais e rendimentos de capital; taxas, multas e emolumentos; rendas púbicas e privadas, taxação de serviços e investimentos imobiliários com lucro ocasionado por mobilidade urbana e instrumentos de gestão da Política Nacional de Mobilidade Urbana.
 
DESAFIOS
 
Nazareno Affonso afirma que o Instituto MDT e aqueles que têm apoiado a ideia do Sistema Único de Mobilidade Urbana Sustentável – SUM concordam que há um conjunto razoavelmente amplo de desafios que devem ser enfrentados para fortalecimento do sistema a ser implantado: a prevalência de um ministério forte na condução do processo; uma boa articulação com Estados, com o Distrito Federal e Municípios; alocação de recursos nos orçamentos; construção de instrumentos normativos modernos.Outros pontos são o comprometimento da área acadêmica, a participação efetiva dos segmentos que integram a área de mobilidade urbana.
 
"Também será necessário promover a formação de quadros técnicos nos órgãos, a alteração do conceito de ‘transporte’ para o de ‘mobilidade’ na Constituição Federal, a integração das áreas de transporte, trânsito e de infraestruturas viárias. E desenvolver a pactuação nas regiões metropolitanas, tendo em vista a constituição de autoridades metropolitanas de transportes nessas grandes áreas conurbadas".
 
A íntegra dos debates da Live #3 da série promovida pelo Mobifilm 2020 pode ser vista em dois arquivos, apresentados ao final desta matéria.
 

Voltar

.

Instituto MDT presente ao evento virtual que congregou 97ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Mobilidade Urbana e a 75ª Reunião do Fórum Paulista Um conjunto de temas que abarcou desde as inovações tecnológicas e de biossegurança que vêm sendo concretizadas durante o atual quadro de pandemia até as mudanças na legislação brasileira de trânsito e suas implicações, marcaram a realização conjunta, em formato virtual, da 97ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Mobilidade Urbana e da 75ª Reunião do Fórum Paulista de Secretários e Dirigentes Públicos de Mobilidade Urbana.
 
O tema central nessa edição foi “inovações Tecnológicas para o Novo Normal na Mobilidade Urbana”.
 
O Instituto MDT participou do encontro virtual conjunto, representado pelo diretor nacional Nazareno Affonso. Outros integrantes da direção do Instituto MDT participantes do encontro virtual conjunto foram o membro do Conselho Fiscal, Atílio André Pereira, secretário de Mobilidade Urbana de Hortolândia, no Estado de São Paulo, e presidente do Fórum Paulista; e os membros do Conselho Diretor Marcos Bicalho dos Santos, que é diretor da Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU), e Tuca Munhoz, especialista em acessibilidade.
 
As sessões se desenvolveram em nos dias 29 e 30 de setembro de 2020. Nos dois dias, as atividades começaram às 10h e se estenderam até o início da tarde, resultando em aproximadamente sete horas de gravação, que poderão ser vistas por meio de dois links ao final desta matéria. Para facilitar a consulta aos vídeos e fornecer uma ideia básica dos conteúdos desenvolvidos, apresentamos um roteiro com o nome, o tema e o horário de intervenção de cada participante.
 
PRIMEIRO DIA, 29 DE SETEMBRO 2020
 
0:00:10 – Abertura dos trabalhos, com participação de Rodrigo Tortoriello, secretário extraordinário de Mobilidade Urbana de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul e presidente do Fórum Nacional.
 
0:07:35 – Saudação de Gabriel Maranhão, prefeito da cidade paulista de Rio Grande da Serra e presidente do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, entidade que apoiou os encontros, cedendo a plataforma para os debates virtuais.
 
0:12:45 – O secretário executivo da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) Gilberto Perre, destaca dois pontos de preocupação quanto ao transporte público: o auxilio emergencial e a instituição de um modelo adequado de financiamento dos sistemas.
 
0:21:30 – O presidente da União Internacional de Transportes Públicos (UITP), Divisão América Latina, Jurandir Fernandes, assume a coordenação dos trabalhos. Ao longo do restante da sessão, ele irá introduzir os participantes e comentar as diferentes apresentações e colocações.
 
0:27:02 – Exposição de Silvestre Eduardo Rocha Ribeiro, gestor da Unidade de Gestão Mobilidade e Transporte de Jundiaí, no Estado de São Paulo, e vice-presidente do Fórum Paulista.
 
0:30:52 – Intervenção de Ailton Brasiliense Pires, que apresentou a publicação virtual de 40 páginas intitulada Eleições 2020 – Como ter um transporte público eficiente, barato e com qualidade na sua cidade (conheça por meio de link ao final desta matéria). Trata-se da principal peça da campanha de fortalecimento do transporte público visando às eleições municipais de novembro de 2020.
 
0:44:45 – Participando de um evento de inauguração em sua região, Atílio André Pereira, secretário de Mobilidade Urbana de Hortolândia/SP e presidente do Fórum Paulista estava ao lado de João Octaviano Machado Neto, secretário de Logística e Transportes do Estado de São Paulo. Ambos fazem uma rápida intervenção, saudando os participantes do encontro virtual.
 
0:51:07 – Paulo Fraga, cofundador e CEO da Cittamobi, que fez uma apresentação a respeito da solução ABT Cittamobi – Pagamento do transporte com smartphone, a nova carteira.
 
1:04:55 –Milena Braga Romano, CEO da BR7-Transporte Coletivo, de São Bernardo do Campo/SP, que desenvolveu o tema Inovações Tecnológicas para o novo normal na mobilidade urbana, em que trata dos protocolos de biossegurança no transporte público oferecido por sua empresa e do serviço ‘on demand’ UBus.
 
1:26:25 – Apresentação de Ângelo Leite, diretor da Sertel , sobre a Mobilicidade – Plataforma de relacionamento digital para serviços de mobilidade urbana, e sobre outra plataforma,denominada ReBus, desenvolvida para uma operadora de São José dos Campos/SP.
 
1:40:29 – Intervenção de Marcos Bicalho dos Santos, diretor da Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano. Ele tratou do Projeto de Lei 3364/20 – uma propositura em tramitação no Congresso Nacional (aprovada pela Câmara dos Deputados e em discussão no Senado), que determina ajuda emergencial para o transporte público. Ele falou do significado da demora da aprovação dessa ajuda para o setor.
 
1:58:00 – André Fauri, CEO e fundador da Beepbeep Mobilidade, fez uma exposição sobre a atuação e as tecnologias empregadas por sua empresa no mercado de carros compartilhados.
 
2:14:31 – O especialista internacional em marketing e comunicação Roberto Sganzerla desenvolveu a apresentação Transporte seguro – Reconquista da confiança e recuperação da demanda.
 
2:32:03 – Petras Amaral dos Santos, faz uma exposição ao sobre atividades e resultados Marcopolo Next, divisão de inovação da indústria fabricante de ônibus Marcopolo.
 
2: 51:06 – Rafael Ting Sung Guimarães, engenheiro de produtos da fabricante de ônibus Caio, apresentou aspectos da plataforma de biossegurança da empresa, denominada Caio Protect.
 
3:03:04 – Félix Araujo, superintendente de Transporte e Trânsito de Campinas Grande/PB,patenteou em sua intervenção a preocupação com o enfraquecimento e mesmo falência de algumas das empresas de transporte coletivo por ônibus e importante cidades nordestinas.
 
3:11:28 – Ailton Brasiliense Pires destacou que além da ajuda financeira emergencial, é preciso aprovar um marco regulatório para o transporte público de modo que o setor deixe de ser financiado quase que exclusivamente pela tarifa.
 
3:15:18 – Fechamento com Rodrigo Tortorielo e despedidas descontraídas de vários participantes.
 
SEGUNDO DIA, 30 DE SETEMBRO 2020
 
0:01:28 – A sessão de abertura reúne Atílio André Pereira, secretário de Mobilidade Urbana de Hortolândia, no Estado de São Paulo, e presidente do Fórum Paulista; Rodrigo Tortoriello, secretário extraordinário de Mobilidade Urbana de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul e presidente do Fórum Nacional.
 
0:12:45 – Representando o Consórcio Intermunicipal Grande ABC , Edgard Brandão inicia coordenação da sessão destinada a apresentar o projeto do Centro de Controle de Mobilidade que atenderá os sete municípios do chamado Grande ABC, na Região Metropolitana de São Paulo, cujas administrações municipais se reúnem há 30 anos no Consórcio.
 
0:15:15 – Antônio Junqueira, da Anton Engenharia e Urbanismo, faz a apresentação do Projeto do Centro de Controle Regional de Mobilidade Urbana do Grande ABC.
 
0:36:35 – Com mediação de Paulo Roberto Guimarães, secretário Municipal de Mobilidade Urbana de São José dos Campos/SP, inicia-se a segunda parte da sessão do segundo dia.
 
0:40:20—Comentários de Jorge Akira Kobayaski, secretário Municipal de Trânsito e Transportes de Piracicaba e vice-presidente do Fórum Paulista.
 
0:46:55 – Abre-se espaço para a apresentação intitulada Ruas Completas SP – Cidades Paulistas pela Segurança Viária, sobre iniciativa que reúne as seguintes organizações: Bloomberg Philanthropies, Vital Strategies, WRI Brasil e Frente Nacional de Prefeitos (FNP). A exposição foi feita por Hannah Machado, arquiteta e urbanista, coordenadora de Urbanismo e Mobilidade na Vital Strategies, e por Paula Santos, engenheira, gerente de Mobilidade Ativa na WRI Brasil.
 
0:54:32—Inicia-se da participação de Ernesto Mascelanni Neto, presidente do Detran-SP, que fez uma exposição e respondeu a perguntas a respeito desse órgão público.
 
1:14:09 – Hélgio Trindade Filho, da Digicon, fez uma apresentação a respeito da Plataforma de Serviços para Mobilidade Urbana MobService, que leva em conta os conceitos de MaaS (Mobility as a Service) e Smart City.
 
1:31:00 – Rápido cumprimento de Sérgio Aveleda, diretor da entidade internacional WRI Ross Center, com sede em Washington, Estados Unidos; ele já presidiu o Metrô-SP e a CPTM e foi secretário municipal de Transportes de São Paulo, ocasião em que atuou como vice-presidente do Fórum Paulista.
 
1: 32:00 – Representando a Associação Brasileira das Empresas de Engenharia de Trânsito (ABEETRANS), entidade sem fins lucrativos, o diretor de Tecnologia Newman J. D. Marques da Silva, fez uma apresentação a respeito da evolução tecnológica dos equipamentos e sinalização. A entidade foi criada em 2011, reúne 46 empresas e representa 95% das empresas do setor.
 
1:46:33 – Nova era da conectividade foi o título da apresentação a cargo da Estapar, considerada a maior rede de estacionamentos da América Latina. A apresentação foi feita por Adélcio Aparecido Antonini, diretor de Operações do Sistema de Zona Azul da empresa.
 
2:06:01 – Tuca Munhoz, membro do Conselho Diretor do Instituto MDT e especialista em acessibilidade, desenvolveu o tema Mobilidade Especial – Mobilidade e Acessibilidade para pessoas com deficiência.
 
2:25:20 – A arquiteta e urbanista Dulce Lutfalla, especialista que integra a Comissão de Trânsito da ANTP, responsável pela área do Esforço Legal, falou sobre os impactos do Projeto de Lei 3267/19, aprovado no congresso e que aguardava, àquela altura, sanção presidencial.
 
2:44:02 – Rápida intervenção de Newmann Silva sobre o Projeto de Lei 3267/19.
 
2:48:05 – Renato Campestrini é advogado, especialista em trânsito, mobilidade e segurança, e que por mais de duas décadas integrou a equipe da URBS de Sorocaba. Ele fez uma explanação sobre o tema Impactos sociais das mudanças no código de trânsito.
 
2:59:00 – Comentários finais de Célio Bouzada, presidente da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTRans).
 

Voltar

.

Nazareno participa de debate virtual promovido pelo Consórcio Intermunicipal Grande ABC e relata o êxito do Programa Paz no Trânsito, do Governo do Distrito Federal no final dos anos 1990Veja por meio de link ao final desta matéria a gravação do debate virtual ao vivo – 'live' – sobre o tema Semana Nacional de Trânsito: Uma abordagem sobre pedestres e motociclistas, promovido na tarde de 21 de setembro de 2020, pelo Consórcio Intermunicipal Grande ABC.
 
O encontro contou com a participação do diretor nacional do Instituto MDT, arquiteto e urbanista Nazareno Affonso, que já exerceu o cargo de secretário de Transportes na cidade paulista de Santo André, e, na condição de secretário de Transportes do Governo do Distrito Federal, foi um dos coordenadores do Programa Paz no Trânsito de Brasília, desencadeado com grande êxito em 1997.
 
Entre os minutos 39:24 e 57:35 da gravação, Nazareno faz sua apresentação com ilustrações históricas da campanha. Entre outros aspectos, ele enfatizou que o sucesso da iniciativa deve-se à elaboração de um programa de governo, denominado Paz no Trânsito com o estímulo do principal mandatário e o envolvimento efetivo de seis secretarias de Estado.
 
O programa governamental ficou famoso em boa medida pelo apoio explícito e engajamento do jornal Correio Braziliense e da TV Globo. É bastante comum que a imprensa defenda infratores, mas, neste caso, foi o contrário e os veículos de comunicação envolvidos ganharam a qualificação de Mídia Cidadã no Transito.
 
O Consórcio Intermunicipal Grande ABC reúne sete municípios da porção sudeste da Região Metropolitana de São Paulo (Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra) e constitui uma das experiências brasileiras mais efetivas de gestão cooperativa de questões intermunicipais.
 
Os trabalhos tiveram a coordenação do engenheiro Edgard Brandão Júnior, secretário-executivo do Consórcio Intermunicipal Grande ABC. Também representou o Consórcio no debate virtual Flavio Casarini. O encontro reuniu ainda José Aurélio Ramalho, diretor-presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, e o advogado Marcelo Marques da Costa, diretor jurídico e financeiro da Associação dos Motofretistas de Aplicativos e Autônomos do Brasil (AMABR) e vice-presidente da Comissão de Trânsito e Transporte da OAB 125ª Subseção Santana.
 

Voltar

.

O Sistema Metroferroviário no DF e a Mobilidade Urbana. Por Wesley Ferro Nogueira, economista, secretário executivo do Instituto MDT
O texto a seguir, intitulado Sistema Metroferroviário no DF e a Mobilidade Urbana, de autoria do economista Wesley Ferro Nogueira, secretário executivo do Instituto MDT, preparado por ocasião da audiência pública referente à Concessão para Gestão, Operação e Manutenção dos Serviços de Transporte Metroviário do Distrito Federal, realizada em 17 de setembro de 2020, a partir das 10h, no Auditório do Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal – DER/DF.
 
Na definição que está expressa na Lei Federal n.° 12.587/2012 (Art. 4.°, II), mobilidade urbana é considerada a “condição em que se realizam os deslocamentos de pessoas e cargas no espaço urbano”. Em se tratando de indivíduos, essas viagens podem ser feitas por meio de vários modais dentro do território, como ônibus, metrô, VLT, trem urbano, barca, automóvel, motocicleta, bicicleta, patinete, skate, a pé etc., seja com a utilização de apenas uma dessas opções ou com a combinação entre duas ou mais alternativas.
 
Esse conjunto de modais ajuda a compor uma rede de transporte dentro das cidades e o grande desafio é o de garantir que os deslocamentos da sua população possam ser realizados, prioritariamente, através do transporte público e dos modais ativos, além da necessidade de integração entre essas diferentes opções para que a mobilidade urbana possa ser efetivada sob o ponto de vista sustentável, garantindo a materialização do direito de acesso das pessoas à cidade.
 
Quando se discute os sistemas de transporte público coletivo, não há dúvida de que os modais metroferroviários se apresentam em condição de vantagem quando comparados com o modelo rodoviário, não só pelo fato de que são de alta capacidade, com o potencial de carregamento de um número maior de passageiros, mas principalmente pelas características associadas à sua configuração operacional, uma vez que os trens circulam por vias segregadas, sem contato com o tráfego urbano e isso é um importante diferencial para o cumprimento de horários, para a manutenção de frequências e, consequentemente, para o planejamento da viagem por parte do usuário.
 
Essas vantagens competitivas contribuem significativamente para que o modal metroferroviário tenha uma avaliação qualitativa melhor do que a verificada no transporte público realizado por ônibus. O sistema rodoviário enfrenta uma pesada concorrência com os automóveis dentro do espaço viário e isso reflete na perda de qualidade da prestação do serviço, uma vez que o custo operacional tende a crescer com a redução da velocidade, com o descumprimento de horários, a redução da frequência e, o que é pior, com a debandada de usuários em função do aumento do tempo de viagem.
 
Nesse sentido, a tendência natural é de que os investimentos nos sistemas de transporte publico coletivo, obviamente, deveriam ser direcionados prioritariamente para a implantação e/ou expansão da malha metroferroviária por todas as externalidades positivas geradas e, aqui no Distrito Federal, essa lógica deveria ser mantida. No entanto, as condições de ocupação do espaço territorial do DF e alguns estudos técnicos sobre trilhos já produzidos ajudam a acender uma luz de alerta e demonstram que a solução metroferroviária pode não ser o caminho mais adequado para a realidade local, mesmo que isso não venha a agradar determinados setores dentro da sociedade. Clique no link abaixo para ler todo o artigo.
 

Voltar

.

Seminários do Programa de Pós-graduação de Transportes e Gestão das Infraestruturas Urbanas da Universidade Federal de Pernambuco geram recomendações sobre o transporte público diante da Covid-19. O Instituto MDT participou da iniciativa.Durante os seis primeiros meses da pandemia da Covid-19, professores do Programa de Pós-graduação de Transportes e Gestão das Infraestruturas Urbanas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) promoveram seminários virtuais para debater as questões referentes aos impactos da crise sanitária sobre o transporte público urbano. Membros do Instituto MDT participaram de sessões desses encontros. Veja nesta edição os principais aspectos dessa iniciativa.
 
Os docentes e pesquisadores partiram do pressuposto que é dever da universidade pública, além de ensinar e pesquisar, prestar serviços à sociedade. E levaram em consideração a gravidade da pandemia do novo coronavírus e os reflexos dela sobre nossas cidades e o transporte público. Eles entendem o transporte público como serviço essencial à população – em especial às camadas mais pobres, por garantir acesso às necessidades básicas – e acreditam que há perigo real da falência desse sistema.
 
Os debates foram desenvolvidos com dois objetivos: identificar temas para alimentar pesquisas, teses de doutorado, dissertações de mestrado e trabalhos de fim de curso, e obter elementos para produzir um documento que proponha diretrizes e ações estratégicas que possam auxiliar o Poder Público e os operadores de transporte público a enfrentar este desafio.
 
A seguir estão identificados os seminários e seus participantes e por meio de link ao final do texto é possível ter acesso à apresentação que sintetiza os debates e servirá de base para o documento final da iniciativa. Essa apresentação tem por título As reformas necessárias para tornar nossas cidades e o transporte público sustentáveis e resilientes e foi produzida pelos professores doutores Oswaldo Lima Neto, Mauricio Andrade, Enilson Santos e pela mestre Lígia Rabay, todos da UFPE.
 
OS SEMINÁRIOS
 
Os oito seminários focaram nos temas descritos a seguir acompanhados dos seus palestrantes que vieram dos diversos setores da sociedade e de diferentes Estados brasileiros e de outros países.
 
Primeiro Seminário – O Futuro do Transporte Público Pós Pandemia, 21/05/2020 – Palestrantes: Mauricio Pina, diretor de Planejamento do Consórcio de Transporte Metropolitano da RMR; Prof.Dr. Anísio Brasileiro, UFPE; Prof.Dr. Nilton Andrade, UFPB; Prof.Dr. Joaquim Aragão, UNB; Prof.Dr. Rômulo Orrico, UFRJ; Prof.Dr. Enilson Santos, UFRN; Prof.Dr. Mauricio Andrade, UFPE; Prof.Dr. Leonardo Meira; Profa Dra Viviane Falcão, UFPE; Profa Dra Jessica de Lima, UFAL.
 
Segundo Seminário – Como será a demanda do transporte público pós pandemia, 04/06/2020 – Palestrantes: Profa Dra Rosário Macario, Instituto Técnico Superior de Lisboa; Eng. Jurandir Fernandes, representante da UITP para a América Latina, Prof.MSc. Mauricio Pina, Diretor de Planejamento do Consórcio de Transporte Metropolitano da RMR, Eng. Fernando Bandeira Presidente da Urbana-PE, Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco; Gilbert representante da Ameciclo; Eng. Carlos Batinga, Prof.Dr. Joaquim Aragão, UNB; Profa Dra Maria Leonor Maia, UFPE; Profa Dra Andrea Gutierrez, Universidade de Buenos Aires, ProfaDra Rosa Ocaña, Universidad Simón Bolivar, Caracas; Helena Cibilis, Presidente da ANPET; Nazareno Afonso, diretor nacional do Instituto MDT; Eng. Marília Pina, diretora do Instituto da Cidade Pelópidas da Silveira.
 
Terceiro Seminário – A crise do Covid-19: o que fazer de imediato para evitar o colapso do transporte público, 18/06/2020 – Palestrantes: Eng. Julian Sastre, presidente do Instituto de Mobilidade Espanhol, Madri; Dr. Carlos Alberto Contreras Montoya, membro da Junta Diretiva do Conselho de Segurança Viária e Presidente da Comissão Técnica de Transportes e Subdiretor da División de Transportes do MOPT da Costa Rica; Eng. Otavio Vieira da Cunha, presidente da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos – NTU; Eng. Luiz Carlos Mantovani Néspoli, secretario executivo da ANTP; Dr. Marcelo Brutus, Secretario de Desenvolvimento Urbano do Estado de Pernambuco.
 
Quarto Seminário – As experiências dos órgãos gestores de transporte público frente à pandemia, 02/07/2020 – Palestrantes: Dr. Francisco Javier Gomez López, Diretor de Planejamento estratégico e de Exploração do Consorcio Regional de Transportes de Madri; Dr. Luiz Alberto Sabóia, Secretario Executivo de Conservação e Serviços Públicos da Prefeitura de Fortaleza; Adv. Matheus Moura, Diretor de Transporte da Secretaria de Mobilidade da Prefeitura de Salvador; Eng. Fabio Damasceno, Secretário de Mobilidade e Infraestrutura do Governo do Espírito Santo; Eng. Benjamin Kennedy, presidente da Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo de Goiânia; Adm. Célio Bouzada, presidente da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte- BHTRANS; Eng. Rodrigo Tortoriello, secretário extraordinário de Mobilidade Urbana da Prefeitura de Porto Alegre e presidente do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Mobilidade Urbana.
 
Quinto Seminário – Cidades e Mobilidade: rediscutindo a relação diante da pandemia, 16/07/2020 – Participantes: Prof.Dr. Mariano Perez Humanes e Natalia De’Carli, da Universidade de Sevilha, Espanha; Arq./Urb. Marcelo Inacios, responsável pelo Estudos Econômicos no âmbito do Plano Diretor Estratégico e de Operações Consorciadas da Prefeitura de São Paulo; Arq./Urb. Geraldo Marinho, foi professor da Escola de Arquitetura e Urbanismo da UFPE por 25 anos, responsável pela Elaboração do PDUI da RMR conduzido pela Condepe/Fidem; Arq./Urb. Rebeca Vieira de Melo, consultora em planejamento urbano.
 
Sexto Seminário – Os desafios sociais e políticas trazidos pela pandemia para as cidades e o transporte público, 30/07/2020 – Palestrantes: Enga Luciana Santos, vice-governadora de Pernambuco; senador Humberto Costa, médico, jornalista, especialista em Ciência Política; Prof.Dr. Anísio Brasileiro, UFPE; Prof. Manoel Moraes, coordenador da Cátedra UNESCO/UNICAP de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Adv. Antonio Celestino da Silva Neto, advogado do Programa de Direito à Cidade do Centro Dom Helder Câmara de Estudos e Ação Social-CENDHEC.
 
Sétimo Seminário – Ações imediatas para uma mobilidade segura até a imunização da população, 13/08/2020 – Palestrantes: Prof.Dr.Ing. Oswaldo Lima Neto, UFPE; Prof. Dr. Mauricio Andrade, UFPE e Prof.Dr. Enilson Santos.
 
Oitavo Seminário – As reformas necessárias para tornar nossas cidades e o transporte público sustentáveis e resilientes, 27/08/2020 – Palestrantes: Prof.Dr.Ing. Oswaldo Lima Neto, UFPE; Prof. Dr. Mauricio Andrade, UFPE e Prof.Dr. Enilson Santos.
 
APRESENTAÇÃO SÍNTESE
 
Os dois últimos seminários foram dedicado à elaboração de uma análise do que foi discutido nos seis seminários anteriores, com o objetivo de extrair diretrizes e indicações de natureza estratégica; no Sétimo Seminário, para ações de curto prazo, e no Oitavo Seminário, para ações de médio e longo prazo.
 
Por meio do link abaixo é possível acessar uma apresentação com os resultados dos dois últimos seminários. No inicio de cada seminário era apresentada uma síntese dos desafios, problemas e possíveis soluções indicadas nos trabalhos anteriores. Isto foi feito por meio das gravações dos seminários através da mineração de texto, com extração dos principais conceitos citados e sua frequência, dados que são apresentados pelos gráficos de Pareto.
 

Voltar

.

Diretor nacional do Instituto MDT fala sobre Jornada Brasileira Na Cidade, Sem Carro e a Mobilidade Sustentável em debate virtual ao vivo promovido pela Associação Brasileira de Psicologia de Tráfego (Abrapsit)O diretor nacional do Instituto MDT, Nazareno Affonso, participou no dia 22 de setembro de 2020 de um debate virtual ao vivo – 'live' – intitulado Mobilidade Sustentável, promovido pela Associação Brasileira de Psicologia de Tráfego (Abrapsit), entidade científica, sem fins lucrativos, cujo objetivo é promover o desenvolvimento técnico científico do exercício profissional na área de tráfego e circulação humana em todos os modais: terrestre, aéreo e aquaviário.
 
Nazareno falou sobre a Jornada Brasileira na Cidade sem Carro e a Mobilidade Sustentável. Sua apresentação pode ser vista por meio de link ao final desta matéria. A mediação dos trabalhos foi da psicóloga Juliana Guimarães, da Abrapsit. Participaram também os psicólogos Andrea Nascimento, com o tema Inter(ações) e Deslocamentos; Renan Soares Júnior, com o tema Aspectos Psicológicos do Consumo de Automóveis, companheiros e companheiras do então Movimento Nacional pela Democratização do Trânsito.
 

Voltar

.

O projeto Mobilicei apoiou e divulgou o Manifesto da 20ª Jornada Brasileira ‘Na Cidade, Sem Carro’Em suas páginas nas redes sociais, o projeto Mobilicei, coordenado por Ricardo Henrique, apoiou e divulgou o Manifesto da 20ª Jornada Brasileira ‘Na Cidade, Sem Carro’, emitido pelo Instituto RUAVIVA e pelo Instituto MDT em setembro de 2020. O Mobilicei é uma iniciativa voltada para promover o tema de Mobilidade e assuntos correlacionados, com foco na conscientização social, sobre a importância de se ter uma cidade melhor e consequentemente uma melhor qualidade de vida.
 
A parte inicial do Manifesto da 20ª Jornada Brasileira ‘Na Cidade, Sem Carro’ propaga: “Que o Estado Brasileiro respeite o transporte público como direito social, promova cidades democráticas com ruas repletas de mobilidade ativa, vias e faixas exclusivas para ônibus, sistemas metroferroviários e calçadas com acessibilidade universal, e uma mobilidade urbana da paz com o Sistema Único da Mobilidade Urbana – SUM!
 

Voltar

.

A 26ª Semana de Tecnologia Metroferroviária foi realizada em formato virtual e gratuito e os conteúdos seguirão abertos ao público até o final de 2021. Aproveite.O Instituto MDT acompanhou o desenvolvimento da 26ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, realizada pela Associação de Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP) no período de 1 a 4 de setembro de 2020. Em razão da pandemia da Covid-19, o encontro foi realizado em formato virtual e de modo gratuito para todos os interessados.
 
Paralelamente ao encontro, foi desenvolvida a feira de produtos e serviços Metroferr Lounge Experience 2020, igualmente em formato online. As gravações de todas as sessões do encontro estão abertas no hotsite do congresso, acessível por meio de um link no final deste artigo e permanecerão assim até o final de 2021.
 
O encontro teve 2.900 participantes inscritos. Houve acessos de todas as regiões do Brasil e também do Exterior, principalmente dos Estados Unidos, Portugal, Alemanha, Canadá e Argentina.
 
O tema geral do encontro foi Trilhos para novos tempos. O conteúdo se distribuiu por 19 painéis ou sessões expositivas, nove workshops técnicos promovidos por empresas, sete estandes virtuais da feira de produtos e serviços Metroferr 2020, e 83 sessões de apresentação de trabalhos técnicos em oito áreas temáticas: Gestão Empresarial, Inovação, Manutenção Metroferroviária, Locomotivas e Vagões, Sustentabilidade, Sistemas, Planejamento de Transportes e Via Permanente.
 
Quinze dos trabalhos técnicos apresentados foram finalistas do 7° Prêmio Tecnologia & Desenvolvimento Metroferroviários, promovido pela Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos) e pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), pertencente ao governo federal brasileiro. Foram premiados os primeiro colocados em cada uma das três categorias do certame; outros dois trabalhos técnicos receberam menção honrosa pela qualidade e por focalizarem temas relacionados com o combate à pandemia da Covid-19.
 
O INSTITUTO MDT E A SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA
 
O Instituto MDT tem uma ligação especial com a Semana de Tecnologia Metroferroviária. Foi na 9ª edição desse encontro, em setembro de 2003, que houve um dos dois pré-lançamentos da Articulação MDT – Movimento pelo Direito ao Transporte Público de Qualidade para Todos, de natureza suprapartidária aberta a todos os modais de transporte que, não obstante, permaneceu sem personalidade jurídica própria, o que aconteceria em junho de 2016, com a fundação do Instituo MDT.
 

Voltar